segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Precisas de ajuda?

Socorrer é um ato de amor. Não indagues se o que te pede ajuda a merece; lembra-te de que Deus não te ajuda por teus méritos, mas por muito te amar.
Cenyra Pinto

Há um paradigma vigente em nossa sociedade que sugere que se estamos sendo beneficiados de alguma forma, se estamos recebendo facilidades para tocar a vida é porque fizemos por merecê-las e que, por outro lado, se nos portamos de forma inadequada em relação aos códigos de conduta aceitos estamos fadados a castigos, restrições, sofrimentos e penalidades.

Este paradigma é amplamente apoiado pelo pensamento religioso vigente e também podemos encontrar orientações na doutrina espírita que o suportam. Entretanto, acredito que devamos olhar com muito cuidado para o que costumamos chamar de lei de causa e efeito. “A cada um segundo as suas obras” é o que nos dizem as escrituras sagradas católicas, os ensinamentos de Moisés e de tantos outros, mas será que este pensamento é o único a determinar os recursos que nos são colocados ao alcance das nossas mãos?

A doutrina espírita vem nos apresentar outra forma de ver e refletir sobre esta questão e é exatamente esta abordagem que Cenyra Pinto nos sugere observar em sua citação; ela nos remete à lei de solidariedade que rege as nossas relações e é uma importante referência para a nossa conduta.

Fomos criados através de um ato de amor de nosso criador, não havíamos feito nada ainda que justificasse tamanho carinho e atenção. Estamos, desde então, destinados à felicidade, que poderá ser alcançada através de nossos próprios esforços de autodescobrimento, realizados com o apoio de leis naturais que garantem todas as oportunidades necessárias à empreitada e que se manifestam através das outras criaturas que estão em nosso entorno.

Podemos ver todo o movimento da vida como um movimento ascensional, conforme proposto em O livro dos espíritos de Allan Kardec, através de estágios muito simples de percepção de nós mesmos e de Deus para atingirmos o estado angelical em que nos manifestamos em plenitude máxima de percepção de nós mesmos e de Deus.

Quando lemos livros como “Evolução em dois mundos” e “A caminho da luz”, ambos de autoria carnal de Francisco Cândido Xavier que serviu como intérprete para os autores espirituais destas obras; vemos que a vida é um movimento contínuo de transformação rumo a estágios cada vez mais complexos de manifestação e que estes movimentos são regidos por espíritos que atingiram um estado de consciência de si mesmos muito superior ao nosso e que, portanto, estão mais integrados à natureza.

Estes espíritos, classificados como superiores quando nos comparamos a eles, estão trabalhando para atender às prerrogativas da vida que já conseguem perceber e dedicam-se, não para garantir punições àqueles que erram, mas a garantir que cada criatura sob sua tutela tenha oportunidades reais de desenvolver-se enquanto espírito imortal, filho de Deus.

As dificuldades a que todos nós estamos sujeitos caracterizam-se, segundo esta visão, como oportunidades de aprendizado que foram construídas pelo movimento natural das leis de Deus e pela solidariedade dos espíritos superiores que coordenam o nosso desenvolvimento.

Se hoje precisamos de socorro, é porque ainda não conseguimos olhar a vida e a nós mesmos com o olhar da criatura destinada à perfeição e, portanto, precisamos de ajuda. O próprio Cristo, quando questionado sobre seu hábito de dar atenção a “pessoas de má vida”, declarou que não havia vindo para os sãos, mas para os doentes; ele não se negou a ajudar em momento algum, mas atendeu segundo a capacidade de aproveitamento daquele que precisava de ajuda.

Muitos foram curados pelos milagres de Jesus, muitos voltaram a adoecer após as curas milagrosas, muitos modificaram a forma de ser e de agir sem ter conseguido atingir curas físicas e viveram plenamente o restante da encarnação.

As palavras de Cenyra Pinto nos levam a outro patamar de ação diante daquele que sofre. Não devemos nos perguntar se a pessoa merece ser ajudada, mas qual é a melhor forma de ajudá-la para que ela possa conduzir-se à descoberta de sua própria realidade espiritual.

A natureza não mede merecimento, ela manifesta-se para despertar aquele que está adormecido. Que possamos aprender esta lição e nos apoiarmos sempre em um enorme movimento solidário de crescimento.

Licença Creative Commons
Precisas de ajuda? de C. Guilherme Fraenkel é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Brasil.
Permissões além do escopo desta licença podem estar disponíveis em http://www.guilherme.fraenkel.nom.br/?page_id=10.


Este artigo faz parte do projeto Reflexão Diária que iniciou-se em 05/01/2011 a partir de um presente que ganhei em 2010, uma caixinha cheia de citações (veja o artigo "O importante não é a etiqueta" para mais detalhes)

Você poderá acompanhar todas as citações e reflexões publicadas no WebEspiritismo usando o Marcador “Reflexão diária”. A lista de Marcadores usados está disponível na coluna lateral do blog sob o título “Marcadores”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva aqui o seu comentário