quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Esculpir a felicidade

No círculo de atuação que nos foi delegado, façamos o bem quanto nos é possível, visto que o Divino Artesão espera que cumpramos a parte que nos cabe, executando a obra confiada em nossas mãos.
Batuíra

Recentemente consegui reconhecer que não faço a menor ideia do que significa a palavra amor e que, consequentemente, muitos de meus conceitos precisam ser pensados com muita atenção.

Esta constatação foi muito importante, uma vez que me ajudou a buscar uma forma de significar um conceito que é vital na construção dos pensamentos e sentimentos alinhados com as propostas da maioria dos grupamentos religiosos ocidentais, além de ser a base também da ética segundo alguns estudiosos do assunto e o ponto central de equilíbrio psicológico do ser humano.

O conceito de amor surge em nossos discursos com enorme frequência e está, na maioria das vezes, ligado a boas impressões, boas sensações e boas experiências que surgem quando sentimos e vivenciamos a vida segundo conduta moral específica que se caracteriza por forma altruísta de ver o mundo e as relações que nele estabelecemos.

A doutrina espírita não é diferente neste ponto com relação a outras doutrinas religiosas ocidentais. Ela resgata o discurso judaico que foi enfaticamente abordado por Jesus e propõe que a nossa meta é “amarmos a Deus sobre todas as coisas e amarmos o próximo como nós mesmos”. Associa o amor à atitude cotidiana e propõe que o bem é o amor colocado em ação com vistas à promoção da vida espiritual que se enraíza através das vivências materiais estruturando o universo e espelhando o sentimento com que o criador se dedica a cada um de nós.

Paulo de Tarso faz outra importante associação relacionada ao amor e que também serve de base para o pensamento da doutrina espírita. Ele sugere que nossas práticas cotidianas com vistas ao cumprimento de nossos papéis na sociedade, quando realizadas com amor, passam a ser classificadas como caridade e sobre este tema versam os espíritos com grande ênfase nas obras da codificação básica da doutrina espírita e em centenas de outras obras.

Aos poucos vamos enxergando que o amor está na base da maioria das propostas espíritas, de muitas correntes religiosas e laicas da sociedade e nem nos damos conta disso! O progresso individual e coletivo, o exercício ético de nossas profissões, o desejo de nos mantermos vivos, o perdão das ofensas, as atitudes de não-violência, a medicina, a pedagogia, a ideia de justiça humana, a ideia de justiça divina, o conceito de liberdade, entre tantas outros.

Entretanto, dificilmente seremos capazes de responder a questão central em nosso atual estágio evolutivo. Como conceituar o amor. Como compreender esta forma de ser, sentir, pensar e agir na vida que nos causa tanta alegria, que promove a união e que se constitui no maior desafio para a humanidade em nossos dias?

Batuíra nos propõe em sua citação que somos obra de trabalho individualizado, cuidadoso e atento do criador, visto como um artesão que talha suas obras com um objetivo específico e só descansa quando o atinge. Sinto que neste discurso reside a ideia do amor enquanto ação e destinação.

Fomos criados com amor para cumprirmos uma tarefa. Comportamo-nos com amor quando aceitamos a tarefa que nos compete e nos dedicamos a executá-la. Ao realizarmos nosso papel, atuamos no bem e vivenciamos o amor.

Desta forma, mesmo que ainda não consigamos conceituar o amor, acredito que temos boas pistas de como ele se manifesta em nossas vidas e de como construí-lo, uma vez que nós o sentimos através das repercussões de nossas ações no universo.

Vivamos nossa busca com dedicação total. Dia chegará em que poderemos falar com grande propriedade sobre o amor. Por hora basta fazermos ao outro o que queremos que nos façam.

Licença Creative Commons
Esculpir a felicidade de C. Guilherme Fraenkel é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Brasil.
Permissões além do escopo desta licença podem estar disponíveis em http://www.guilherme.fraenkel.nom.br/?page_id=10.


Este artigo faz parte do projeto Reflexão Diária que iniciou-se em 05/01/2011 a partir de um presente que ganhei em 2010, uma caixinha cheia de citações (veja o artigo "O importante não é a etiqueta" para mais detalhes)

Você poderá acompanhar todas as citações e reflexões publicadas no WebEspiritismo usando o Marcador “Reflexão diária”. A lista de Marcadores usados está disponível na coluna lateral do blog sob o título “Marcadores”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva aqui o seu comentário