terça-feira, 28 de abril de 2009

V Seminário de Pedagogia Espírita do Estado do Rio de Janeiro

No domingo 26 de abril de 2009 estive no Centro Espírita Léon Denis (CELD - http://www.celd.org.br) para participar do 5o. Seminário de Pedagogia Espírita do Estado do Rio de Janeiro, que teve como tema central “A Pedagogia Espírita na Educação dos Sentimentos do ser”, que contou com a participação de Cezar Braga Said, José Carlos Leal e André Trigueiro como palestrantes.

A cobertura do evento está sendo colocado no blog do projeto Gestando um Pedagogo (http://www.gestandoumpedagogo.com.br), mas colocarei aqui os links das matérias conforme sejam publicadas.

Se você quiser saber um pouco mais sobre o movimento da Pedagogia Espírita, sugiro uma visita ao site da Associação Brasileira de Pedagogia Espírita (ABPE - http://www.pedagogiaespirita.com.br/)

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Aprendendo a perdoar

Li na semana passada uma lição muito valiosa oferecida para nós pelo espírito Hammed através da mediunidade de Francisco do Espírito Santo Neto. A lição fala sobre o perdão e entitula-se “Aprendendo a perdoar” e está contida no livro “Renovando Atitudes”

Hammed defende que um bom caminho para conseguirmos perdoar está relacionado com o desenvolvimento de nossa capacidade de distanciamento psíquico, ou seja, da capacidade de não nos deixar levar pelas opiniões alheias e de buscarmos viver os nossos próprios valores.

Segundo o espírito, quando buscamos não nos deixar afetar pelas emoções alheias de perturbação, somos capazes de buscar a sintonia com bons espíritos de forma mais fácil e, desta forma, conseguimos dar a verdadeira dimensão para o fato ocorrido.

Outro aspecto positivo da prática do distanciamento psíquico é o fato de conseguirmos fugir da construção de mono-idéias, geradas a partir de nossas simulações de diálogos com o “ofensor” e da construção de cenários mentais de vingança.

Através desta prática somos capazes de acreditar que o ser humano é capaz de resolver seus dramas e é responsável pelos seus feitos na vida. Desta forma permitimos que o outro seja e se comporte como quer e, conseqüentemente, permitimos que nós também sejamos e nos comportemos como quisermos.

Hammed conclui sua lição com a mensagem de que desligar-se não é deixar de se importar, de amar ou de perdoar, mas viver sem se deixar contaminar pelas emoções do outro, buscando as suas próprias, fato que facilita o perdão.

Hammed nos ensina ainda que uma técnica eficiente para praticar o distanciamento psíquico é voltarmos a ter contato com nós mesmos. Desta forma passamos a ter a nossa vida baseada na nossa própria percepção da verdade e na vontade própria ao invés de baseada nas opiniões e emoções alheias.