terça-feira, 8 de março de 2016

Depois do Temporal (Maria dolores)





Cansado coração, ouve, lá fora,
O turbilhão do temporal violento,
Cai o granizo, ruge a voz do vento...
É a Natureza que se desarvora.

O firmamento é anônima cratera,
Quando o raio estraçalha a noite escura,
E choras, ante o caos e a desventura,
A prova que te ensombra e dilacera.

Ao furacão que passa, caem ninhos,
Tombam troncos, a ímpetos medonhos,
E recordas as pedradas dos caminhos,
Que varaste perdendo os próprios sonhos!...

Espera e crê!... O temporal vai longe!...
Amanhã seguirás em nova estrada
E, ao teu olhar, a luz será mais linda,
Quando o Sol acender a madrugada!...



fonte: Centro Espírita Caminhos de Luz
foto: Tempestade sobre Sydney 3 de Peter Aloisio em freeimages

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva aqui o seu comentário