quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Pai

Pai,

Muitas vezes volto-me para um mundo só meu e perco-me em meus pensamentos e impressões.

Revolto-me por não conseguir respostas para problemas que penso ter.

Olho à minha volta e sinto-me desprotegido e solitário.

Fico triste por não conseguir realizar meus sonhos e por não ser tão livre quanto desejo.

Aborreço-me por não ser tratado com a deferência e respeito que julgo merecer...

Todas as vezes tu me escutas pacientemente e reconduzes meu olhar, meus pensamentos, sentimentos e emoções ajudando-me a alargar a visão para perceber a plenitude que se agiganta à minha volta.

Logo alegro-me por identificar tantas oportunidades benfazejas que se apresentam para a construção de minha felicidade.

Sinto a abraço amigo das pessoas que me cercam e estimulam a continuar lutando. Pessoas que me afagam, que secam minhas lágrimas sem que eu me dê conta.

Encho-me de esperança para continuar a aspirar por dias melhores. Entendo que liberdade é ser senhor de meu destino e poder escrevê-lo com as cores que desejar, coisas que faço a cada segundo de minha vida.

Sinto que recebo o tratamento de que necessito para amadurecer e tornar-me mais responsável por mim e por aqueles que estão à minha volta...

De vez em quando lembro-me de agradecer por tanto carinho e atenção, mas hoje é um desses dias especiais e só queria te dizer.

Obrigado por me amar e por respeitar quem eu sou.

Obrigado por não desistir de mim com a mesma facilidade que desisto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva aqui o seu comentário